Blog de DHJUPIC

O dia 10 de Dezembro foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como Dia Internacional dos Direitos Humanos, data em que foi aprovada, em 1948, pela Assembleia Geral das Nações Unidas, a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

”Nas condições atuais da sociedade mun­dial, onde há tantas desigualdades e são cada vez mais numerosas as pessoas descartadas, privadas dos direitos humanos fundamentais, o princípio do bem comum torna-se imediatamente, como consequência lógica e inevitável, um apelo à so­lidariedade e uma opção preferencial pelos mais pobres.

Esta opção implica tirar as consequên­cias do destino comum dos bens da terra, mas exige acima de tudo con­templar a imensa dignidade do pobre à luz das mais profundas convicções de fé. Basta obser­var a realidade para compreender que, hoje, esta opção é uma exigência ética fundamental para a efetiva realização do bem comum.” #LS 158

Segundo Papa Francisco, devemos reconhecer que há um elo invisível que une cada uma das exclusões e injustiças presentes em todo o mundo. Devemos reconhecer que estas realidades destrutivas correspondem a um sistema que se tornou global e impõe a lógica do lucro a todo o custo, sem pensar na exclusão social nem na destruição da natureza.


Que neste dia reafirmemos a importância de sermos promotoras e promotores do carisma franciscano, sendo presença ativa na sociedade, nos unindo a toda fraternidade universal na defesa dos direitos humanos, da justiça, da paz e integridade da criação.




Confiram o vídeo sobre a Laudato Si produzido pela Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Cariade, da Justiça e da Paz e pela Comissão Episcopal para a Amazônia (CNBB):

https://www.youtube.com/watch?v=X8Mce8rLO7o
Inspirada pela Carta Encíclica Laudato Si’ [Louvado Seja] e unida pela gratuidade do amor fraterno, a Juventude Franciscana do Brasil, através da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Justiça, Paz e Integridade da Criação – DHJUPIC, apresenta a 6ª Jornada Franciscana Nacional pelos Direitos Humanos. Com tema ”Ecologia Integral e DIREITOS” e lema “Ouvir o grito da terra e o grito dos Pobres”, a 6ª jornada responde ao desafio de viver o carisma franciscano à luz do Evangelho e busca alternativas humanas que levem a superar as causas estruturais do drama socioambiental contemporâneo.

A Ecologia Integral compreende claramente as dimensões humanas e sociais inseparavelmente ligadas à questão ambiental. Em uma perspectiva sistêmica e integrada, o Papa Francisco estabelece uma “relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta”, retomando o tema da economia e da política, que devem servir ao bem comum e criar as condições de uma plenitude humana possível. Nesta perspectiva, Francisco propõe mudanças urgentes e necessárias a este sistema onde “o mercado tende a criar um mecanismo consumista compulsivo” e um “antropocentrismo exagerado”.

Em consonância com as prioridades de trabalho discutidas durante as cinco Escolas Regionais de Formação e sintetizadas no I Seminário Nacional de AE e DHJUPIC, e com o atual contexto eclesial e social, a jornada será realizada em várias etapas com diversas atividades, respondendo à necessidade de sermos promotores e promotoras da “globalização da esperança, que nasce dos povos e cresce entre os pobres”. Este é um grande momento para toda a juventude, de norte a sul do país, estar em sintonia, união e em fraternidade no cuidado da nossa Casa Comum em todas as suas dimensões.

Assim, o Secretariado Nacional da JUFRA do Brasil convida todos os Jufristas e parceiros a participarem desta 6ª Jornada Franciscana Nacional pelos Direitos Humanos. Animem suas fraternidades e comunidades para se juntarem a toda Fraternidade Universal no Cuidado da Nossa Casa Comum, ouvindo tanto o grito da terra quanto o grito dos pobres.
Que São Francisco e Santa Clara nos abençoem, nos deem força, fé e coragem para nos empenharmos cada vez mais em viver e trabalhar pela justiça, pela paz e pela integridade da criação, caminhando na construção de uma sociedade mais justa e fraterna.

Para baixar os materiais, clique aqui.

Secretariado Fraterno Nacional
Juventude Franciscana do Brasil
Na Paraíba, o ano de 2015 está marcado pelo acirramento dos conflitos de terra, sobretudo na região agreste. Em atenção a esta realidade, no mês de agosto, uma caravana de solidariedade visitou algumas destas áreas no município de Mogeiro-PB. As organizações do campo e da cidade visitaram os agricultores e agricultoras de Fazendinha, Paraíso e Salgadinho. As 130 famílias das três áreas são acompanhadas pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e entidades solidárias.

Algumas informações sobre as três áreas:

-Fazendinha:
As 58 famílias são posseiros antigos da Fazenda, onde trabalhavam há mais de 50 anos para o proprietário. A cada ano, eram transferidas para áreas diferentes. Em 2014, o proprietário passou a proibir as famílias de plantarem. As famílias decidiram continuar plantando mesmo sem a permissão do proprietário, contabilizando em torno de 50 hectares de lavouras de macaxeira, feijão, milho, fava, gergelim, jerimum, inhame e outros. Por decisão judicial, as famílias foram despejadas, sendo acolhidas pelo Assentamento João Pedro Teixeira. Mesmo assim, capangas armados amedrontam as famílias, com arrombamentos, arrastões, tiroteios e outras ameaças.

-Paraíso:
As 38 famílias são posseiros antigos da Fazenda, onde trabalhavam há décadas para o proprietário. Muitos agricultores e agricultoras moravam na localidade desde que nasceram. O proprietário passou a proibir as famílias de plantarem na Fazenda. Grupos de capangas começaram a ameaçar as famílias, queimando casas e utensílios domésticos. Por decisão judicial, as famílias também foram despejadas, montando acampamento em terras próximo à Fazenda. Os despejos foram realizados de forma violenta destruindo roçados e casas.

-Salgadinho:
As 29 famílias são posseiros antigos da Fazenda, onde moram há décadas. Toda a propriedade, de 400 hectares, está coberta de roçados plantados pelos agricultores e agricultoras. Diversas vezes, no momento em que as famílias dos agricultores e agricultoras estão trabalhando a terra em mutirão, grupos de capangas armados chegam atirando e intimidando as famílias. A proprietária tenta vender parte da propriedade para inviabilizar a desapropriação para Reforma Agrária. Os capangas também já impediram acesso das famílias aos roçados, às criações e até à Capela.


Vídeo produzido pela Juventude Franciscana (JUFRA) de Santa Rita-PB, integrante da caravana de solidariedade aos agricultores/as do agreste, e baseado em dados da CPT e do Gabinete do Deputado Estadual Frei Anastácio: https://www.youtube.com/watch?v=sGfDLN9OtYw
Mais uma tragédia que dói muito fundo e arregaça, de tristeza e revolta, o coração e a alma. Mais um acidente com barragem de rejeitos em Minas Gerais, desta vez em Mariana, município já tão impactada pelo complexo minerário da Vale Vale/Samarco, a ponto da sua população ficar sem água várias vezes por dia.

Hoje foi o distrito de Bento Rodrigues e sua gente, soterrados vivos pela lama da ganância de uma atividade econômica que avança voraz sobre lugares e pessoas para exportar nossos bens minerais e alimentar contas de acionistas e o mercado financeiro.

E além de Bento Rodrigues vários outros distritos foram afetados, e até a tarde de sexta-feira outros municípios também foram largamente atingidos pela lama da barragem, que continua causando um rastro de destruição por onde passa. Não se sabe ainda até onde irá essa enxurrada de lama.

Mesmo ainda sem notícias precisas das perdas humanas e da situação dos vitimados e famílias, já dói muito fundo porque nos sentimos no lugar de cada um deles e, assim, somos solidários.

Tudo é criminoso e terrível! Acidentes e impactos da mineração acontecem recorrentemente, as empresas continuam com a mesma postura prepotente de “responsabilidade social e ambiental” e ainda fazem uma cortina de fumaça sobre os reais fatos nesses momentos, como a Samarco (que é 50% da Vale e 50% da BHP Biliton) está fazendo.

E ainda precisamos estar em luta contra o Projeto de Lei nº 2946/2015 do Governador Pimentel, em regime de urgência para agilizar licenciamentos e reduzir o controle social sobre a segurança dos projetos prioritários para o Estado, que de certeza não são projetos prioritários para a população mineira.

Basta!
Não queremos este modelo econômico que nos é imposto!

Brasil, 06 de Novembro de 2015
Assinam essa nota:

Ação Franciscana de Ecologia e Solidariedade - AFES
Articulação Antinuclear Brasileira
Articulação dos Atingidos pela Mineração do Norte de Minas – MG
Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB
Ame a Verdade
Associação Alternativa Terrazul
Associação Brasileira de Reforma Agrária
Associação Para a Recuperação e Conservação Ambiental - ARCA
Associação de Defesa do Meio Ambiente de Araucária – AMAR
Associação de Proteção ao Meio Ambiente - APROMAC
Associação de Saúde Ambiental – TOXISPHERA
Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida – (APREMAVI – SC)
Associação do Patrimônio Histórico, Artístico e Ambiental de Belo Vale (APHAA-BV)
Associação PRIMO - Primatas da Montanha
Brasil Pelas Florestas
Brigadas Populares
Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de MG
CEPASP – PA
Cáritas Diocesana de Sobral – CE
Comissão Pró-Indio de São Paulo
Cantos do Mundo
Consulta Popular
Conselho Indigenista Missionário – CIMI
Coordenação Nacional das Comunidades
Coletivo Margarida Alves
Quilombolas – CONAQ
Comissão Paroquial de Meio Ambiente – CPMA Caetité/Ba.
Campanha contra o Mineroduto da Ferrous
Central Única dos Trabalhadores – CUT
Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria – CNTI
CSP-Conlutas
Comissão Pastoral da Terra – CPT
Conselho Pastoral dos Pescadores
Evangélicos Pela Justiça
FASE
Fórum de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente - FBOMS
Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social
Frente de Luta pelos Direitos Humanos
Fórum Carajás
Grupo de Estudos: Desenvolvimento,
Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte - GPEA/UFMT
Gestão Socioambiental do Triângulo Mineiro (Angá)
Greenpeace
Hutukara Associação Yanomami (HAY)
Instituto Caracol - iC
Instituto Socioambiental - ISA
Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC
Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas - Ibase
Instituto Brasileiro de Educação, Integração e Desenvolvimento Social - Ibeids
Instituto de Políticas Alternativas para o Cone Sul – PACS
Justiça nos Trilhos – JnT
Juventude Atingida pela Mineração - PA e MA
Juventude Franciscana do Brasil – JUFRA
Justiça Global
Justiça Ambiental Dos Atingidos Projeto Minas-Rio
Levante Popular da Juventude
Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra - MST
Movimento pela Soberania Popular na Mineração - MAM
Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB
Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA
Movimento pelas Serras e Águas de Minas (MovSAM)
Movimento pela Preservação da Serra do Gandarela
Movimento Xô Mineradoras
Movimento Águas e Serras de Casa Branca, Brumadinho, MG.
Movimento Paulo Jackson – Ética, Justiça e Cidadania
Movimento Artístico, Cultural e Ambiental de Caeté - MACACA (Caeté/MG)
Marcha Mundial de Mulheres
Metabase Inconfidentes
Modernidade e Meio Ambiente da UFMA (GEDMMA)
Movimento Pela Moralidade Pública e Cidadania – Ong Moral Mt
Nos Ambiente
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado - PSTU
Pastoral da Juventude Rural – GO
Paz e Ecologia
Pedra no Sapato
Pastorais Sociais da CNBB
Processo de Articulação e Diálogo entre Agências Ecumênicas Européias e Parceiros Brasileiros - PAD
Rede de Articulação - REAJA
Rede Brasileira de Justiça Ambiental
Rede Cearense de Juventude pelo Meio Ambiente – RECEJUMA
Rede Axé Dudu
Rede Brasileira de Ecossocialistas
Rede Mato-Grossense de Educação Ambiental – REMTEA
Rede Causa Comum
Serviço Interfranciscano de Justiça, Paz e Ecologia - SINFRAJUPE
Serviço SVD de JUPIC
Sindiquimica - PR
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Simonésia - MG
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha - MG
Sindicato dos Trabalhadores/as Rurais de Xapuri – Acre
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Canaã dos Carajás – PA
Sindicato Unificado da Orla Portuária - SUPORT ES
Serviço Interfranciscano de Ecologia e Solidariedade – SINFRAJUPE
Sindicato Metabase Inconfidentes
SOS Serra da Piedade (MG)

VIVAT International