Blog de DHJUPIC

Franciscanos/as se preparam para participar do Grito dos/as Excluídos/as em São Paulo-SP



By  Subsecretaria Nacional de DHJUPIC da JUFRA do Brasil     10:43     
O Grito dos/as Excluídos/as é uma manifestação popular carregada de simbolismo; é um espaço de animação e profecia, que reúne pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos e com a construção de um projeto popular para o Brasil. Acontece, sempre, no dia 7 de setembro, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para as condições de exclusão crescentes na sociedade brasileira.

Neste ano, o Grito traz a incômoda pergunta: “Onde estão nossos direitos?”, denunciando, assim, o processo de precarização das políticas públicas que deveriam garantir os direitos básicos a cada cidadão.

O Grito dos Excluídos, em São Paulo, terá início, às 8h00, com a Missa na Catedral da Sé e, 9h30, concentração na Praça da Sé com caminhada e ato público no Monumento da Independência.

Segue a carta-convocatória para o Grito:

Onde estão nossos direitos?
Mais uma vez estamos num ano eleitoral e, às vezes, o povo imagina que só assim as mudanças virão. No entanto, sabemos que só a luta muda a vida, temos a necessidade de debater um projeto popular que vise a construção de uma sociedade fraterna e solidária. Sabemos que esse projeto não será obra de nenhum "salvador da pátria", até por que vimos que afirmar ser democrático e popular não é nenhuma garantia de ser de fato. Embora estejamos numa democracia, vemos uma crescente criminalização do movimento social e sindical combativo. Exemplo dessa política no Estado de São Paulo foi o tratamento dado aos servidores públicos na Educação e no Judiciário durante seus movimentos grevistas.

E a cidade como vai?
Na cidade de São Paulo aumenta a criminalização da pobreza, a expulsão do povo da rua da região central, o desemprego, a falta de perspectiva da juventude pobre, sobretudo negra, que é duramente perseguida e muitas vezes exterminada em nossas periferias. Lembrando que esse quadro tende a agravar-se nos próximos anos com o ufanismo do "eu te amo meu Brasil" embalado por copa do mundo e olimpíadas. Outro ataque contra o povo foi a mudança de horário das feiras-livres imposta pela prefeitura, com a redução, que antes era das 5 às 15hs, para 7hs30min às 13hs. Essa medida, que a principio atinge os feirantes, prejudica muito os pobres, pois sabemos das chamadas ofertas de "fim de feira". Essa medida acaba beneficiando os grandes hipermercados que agora funcionam de domingo a domingo.

Reforma agrária e urbana!
Segundo dados do IBGE, nos últimos anos a concentração de terras aumentou. As propriedades com mais de 1000 hectares controlam 43% de todas as terras no Brasil (e em sua maioria tem sua produção voltada para a exportação: soja, cana, eucalipto; é o chamado agronegócio) e, as propriedades com menos de 10 hectares, tem apenas 2,7% das mesmas terras (embora estas se dediquem a produção de alimentos básicos através da agricultura familiar). Só para termos uma idéia, 1 hectare de terra equivale a mais ou menos um campo de futebol. Teremos em setembro a realização de mais um plebiscito popular, este sobre o limite da propriedade rural, já que, como vimos, o Brasil é um dos países mais desiguais e injustos nesse sentido.

Enquanto milhões de pessoas vivem em condições precárias, morando em favelas, cortiços e áreas de risco; temos, só na cidade de São Paulo, cerca de 500 mil imóveis fechados. Por isso também defendemos uma ampla reforma urbana.

Todos ao Grito dos Excluídos!
Sendo assim, mais uma vez no dia da proclamação da Independência, iremos dar nosso grito pela soberania nacional e contra a exclusão social, pela nação que queremos: uma nação que respeite e garanta o direito de todos e da natureza.
Vamos juntos construir um grande grito contra a exclusão social em São Paulo. O povo sofrido desta cidade tem muito que denunciar e, também, anunciar: a sociedade que queremos, com justiça e igualdade. Converse com seus amigos no bairro, na escola e no trabalho, convide-os a participar.

Assinam: Fórum das Pastorais Sociais e CEBS da Arquidiocese de São Paulo, CSP Conlutas, Intersindical, MTST, Uneafro, Sefras/Justiça, Paz e Integridade da Criação, Romaria à Pé, CIMI – SP, JOC, Fórum de Luta dos Trabalhadores Desempregados, Movimento Nacional da População de Rua, Tribunal Popular, Fórum das ONGS, Padres Oblatos de Maria Imaculada.


Fonte: www.franciscanos.org.br

Sobre Subsecretaria Nacional de DHJUPIC da JUFRA do Brasil

A Juventude Franciscana (JUFRA) é uma proposta de vivência cristã destinada a jovens que, por vocação, carisma ou índole, se comprometem com o ideal de vida inspirado na espiritualidade franciscana A JUFRA é, ou deve ser, um monte de gente nesse mundão a fora, que tomou consciência de que: primeiro, deve esforçar-se para melhorar o mundo; segundo, que a melhora do mundo começa a partir de si mesmo; e que é preciso no mundo uma escola que ajude as pessoas a tomarem consciência disso. (Essa escola é a própria JUFRA) A JUFRA tem estilo e características próprias. Por isso nessa fraternidade de jovens, os jufristas assumem todos os deveres e, por conseguinte, gozam de todos os direitos inerentes ao compromisso franciscano de vida secular Segundo o Estatuto da JUFRA do Brasil, ela é uma associação civil com caráter e objetivos dentro exclusivamente dos campos Religioso, Educacional e Social.

Nenhum comentário: